08/12/2013

União


Aqueles com quem podemos contar, devem estar presentes nos momentos felizes mas também nos momentos difíceis.
Assim deve ser a família: unida, aconteça o que acontecer.

Por isso marquei um voo à pressa, para estar ao lado do meu pai quando ele pôs o pacemaker.
Foi um momento difícil. A cirurgia costuma ser simples mas teve uma pequena complicação que lhe provocou uma subida da tensão arterial, mas o mais difícil foi a parte emocional.

No dia seguinte à cirurgia ele teve alta. Durante um mês os cuidados são muitos, pois não pode usar o braço esquerdo e tem uma cicatriz a sarar. 
Apesar de já sabermos isso, só com o dia-a-dia é que nos apercebemos dos pequenos pormenores que significam esse cuidado necessário. 

No dia em que ele teve alta, eu e a minha irmã decorámos a árvore de Natal. 
Foi um momento muito especial.

Durante uma semana fiz tudo o que pude pelo conforto do meu pai. 
Durante uma semana a única coisa que queria era que ele recuperasse e voltasse a ter a boa-disposição habitual. Quando estamos habituados a 80, não é fácil ver apenas 8.
Depois, tive que voltar a Inglaterra, à minha casa, ao meu trabalho.

Consegui vir mais descansada. O pior já passou. 
É mesmo importante estarmos presentes.




Sem comentários: